Abril em Filmes

Abril ficou marcado pela visualização de uma catrefada de episódios. Séries novas ou simplesmente manter-me a par das que que perderam o gás. Acabei por não ver tantos filmes quanto o inicialmente planeado. Ainda assim, marquei presença em algumas sessões importantes da décima edição do Indie Lisboa. 
Um debate sobre fotografia no cinema, no âmbito do festival, revelou-se pouco produtivo e desinteressante. Dei de caras com o mundo de Patrick Jolley, que ainda me assola à mente com a sua peculiaridade. Shirley - Visions of Reality e Leviathan foram agradáveis surpresas, sendo este último uma experiência única numa sala de cinema. 
Fora do circuito do festival, debrucei-me mais aprofundadamente no cinema de Tsai Ming-liang, sem mais uma vez ficar desiludido. 
Tenho como hábito eleger o melhor filme visualizado no período mensal. Este mês vejo-me bastante dividido nessa eleição. De um lado, Once Upon a Time in the West (1968) faz questão de se reavivar fortemente na minha memória. Na outra extremidade, The Act of Killing (2012) não me abandona os sentidos, tal forma me deixou após a sua visualização. Ambas as obras se afirmam como únicas na história da sétima arte, tanto no argumento como no tratamento que lhe foi dado. Amostras demasiado fortes no género em que se inserem e experiências cinematográficas que dificilmente vou esquecer. 

Filme do mês: C'era una volta il West (1968), de Sergio Leone - 9/10
Ex-aequo: The Act of Killing (2012), de Joshua Oppenheimer - 9/10

Outros filmes visualizados

The Hole (1998), de Tsai Ming-liang - 8/10
Leviathan (2012), de Lucien Castaing-Taylor; Verena Paravel - 8/10
Shirley - Visions of Reality (2013), de Gustav Deutsch - 8/10
Face (2009), de Tsai Ming-liang - 8/10
Vive l'Amour (1994), de Tsai Ming-liang - 7/10
Metamorphosen (2013), de Sebastian Mez - 6/10
Rebels of the Neon God (1992), de Tsai Ming-liang - 6/10
A Batalha de Tabatô (2013), de João Viana - 6/10
A Messenger From The Shadows (Notes on Film 06/ A Monologue 01) (2012), de Norman Pfaffenbichler - 6/10
Sugar (2005), de Patrick Jolley; Reynold Reynolds - 5/10

Curtas:

Burn (2002), de Patrick Jolley; Reynold Reynolds - 8/10
Plutão (2012), de Jorge Jácome - 8/10
Feral (2012), de Daniel Sousa - 7/10
Imaculado (2013), de Gonçalo Waddington - 5/10
Dizem que os Cães Veem Coisas (2012), de Guto Parente - 4/10
A dupla coincidência dos desejos (2013), de Alexandre Melo; João Vieira Torres - 4/10

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

TCN 2014: Nomeações

Ecrã de Haneke